REVISTA MULEMBA - POEMAS

"Mulemba"

(Zetho Cunha Gonçalves)

Primeiro, é uma sombra:
uma sombra gorda,
fria: uma sombra –
da infância ao Mais Velho;
uma sombra
para a voz – e os dias,
da tradição.

É o centro
e os limites das aldeias,
que rodeiam – ancestrais
e majestáticas – orgulho
e respeito, poder – Soba Grande:
três filas de mulembas envolvem
a aldeia, o seu trono.

*

Pega de estaca - se plantada,
e um ramo basta.

Dado à terra – o resto,
os antepassados o fazem,
e o tempo: a própria Terra.

Tem o nome científico
de Ficus sycomoros.

2.

Dos pequenos,
dulcíssimos figos altos,
vibrantes a ouro velho
no fechado verde da folhagem,
se encantam as crianças trepadoras,
e os pássaros – depois,
as suas vítimas, o seu brinquedo.